AÇÕES EM PROL DA INDEPENDÊNCIA FINANCEIRA DOS EX-ACOLHIDOS: A VOZ DOS JOVENS-ADULTOS

Conteúdo do artigo principal

Ana Karollina Santos de Jesus
Priscila Francisco da Silva

Resumo

As diversas circunstâncias no desenvolvimento social deixam evidentes as necessidades de estudos que demonstrem a construção da identidade humana. Logo, a fase da adolescência é parte fundamental nesse processo de formação do indivíduo enquanto ser e integrante de uma sociedade. Diante disso, é de extrema relevância a situação dos adolescentes que ao completarem a maioridade se veem obrigados a deixar a casa de acolhimento para enfrentarem sozinhos uma vida repleta de incertezas. Através da pesquisa bibliográfica e documental, o presente trabalho tem por objetivo analisar as possibilidades de ações por parte do Poder Público e da sociedade com o fim de promover a independência financeira desses jovens ao atingir a maioridade, tendo como fundamento a teoria do reconhecimento de Axel Honneth, que apresenta indicadores de integração social essenciais para a auto aceitação dos indivíduos. Portanto, conclui-se que, uma das opções para facilitar esse processo seria a criação de Repúblicas voltadas para esses jovens-adultos.

Detalhes do artigo

Seção
ARTIGOS
Biografia do Autor

Ana Karollina Santos de Jesus, Faculdade Católica Dom Orione

Graduanda em Direito pela Faculdade Católica Dom Orione

Priscila Francisco da Silva

Graduada em Direito pelo Centro Universitário Eurípedes de Marília (2000). Especialista em direito civil e direito processual civil pela Universidade Estácio de Sá (2004). Especialista em Ciências Jurídico-Políticas pela Faculdade São José – Timon (2010). Mestre em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (2017). Professora da Faculdade Católica Dom Orione. 

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 05 de outubro de 1998. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990. 168 p. (Série Legislação Brasileira).

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF, 13 jul.1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm . Acesso em: 20 set. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013. Institui o Estatuto da Juventude e dispõe sobre os direitos dos jovens, os princípios e diretrizes das políticas públicas de juventude e o Sistema Nacional de Juventude – SINAJUVE. Brasília, DF, 5 ago. 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12852.htm. Acesso em: 20 set. 2020.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Plano nacional de promoção, proteção e defesa do direito de crianças e adolescentes à convivência familiar e comunitária. 1990. Disponível em:http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/Plano_Defesa_CriancasAdolescentes%20.pdf .Acesso em: 18 out. 2020.

CENSO SUAS. CENSO SUAS 2017: análise dos componentes sistêmicos da Política Nacional de Assistência Social Ministério da Cidadania. Brasília, 2017. Disponível em: https://aplicacoes.mds.gov.br/sagirmps/ferramentas/docs/Censo%20SUAS%202017.pdf. Acesso em: 21 out. 2020.

CONANDA/CNAS. Resolução Conjunta CONANDA/CNAS nº 1, de 18 de junho de 2009. Orientações Técnicas: Serviços de Acolhimento para Crianças e Adolescentes; 2. ed. Brasília (DF): Ministério do desenvolvimento social e combate à fome, jun. 2009. Disponível em: http://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Cadernos/orientacoes-tecnicas-servicos-de-alcolhimento.pdf. Acesso em: 18 out. 2020.

CNJ - CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento- SNA. 2020. Disponível em: https://paineisanalytics.cnj.jus.br/single/?appid=ccd72056-8999-4434-b913-f74b5b5b31a2&sheet=e78bd80b-d486-4c4e-ad8a-736269930c6b&lang=pt-BR&opt=ctxmenu,currsel&select=clearall .Acesso em: 18 out. 2020.

FACULDADE CATÓLICA DOM ORIONE. Manual para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos. 7. ed. Araguaína, 2019. Disponível em: https://s3.amazonaws.com/catolicaorione.edu.br/arquivos/biblioteca/arquivos/manual-para-apresentacao-e-normalizacao-de-trabalhos-academicos.pdf. Acesso em: 18 out. 2020.

GUIMARÃES, Elian. Repúblicas recebem jovens com mais de 18 anos que moravam em abrigos. Jornal Estado de Minas, 20 maio 2019. Disponível em: https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2019/05/20/interna_gerais,1055049/republicas-recebem-jovens-com-mais-de-18-anos-que-moravam-em-abrigos.shtml. Acesso em: 18 out. 2020.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

INSTITUTO FAZENDO HISTÓRIA. As modalidades de acolhimento no Brasil, suas especificidades e diferenças. São Paulo, 09 maio 2018. Disponível em: https://www.fazendohistoria.org.br/blog-geral/2018/5/9/as-modalidades-de-acolhimento-no-brasil-suas-especificidades-e-diferenas. Acesso em: 18 out. 2020.

INSTITUTO FAZENDO HISTÓRIA. Mais autonomia, mas direitos. São Paulo, 20 jul. 2020. Disponível em: https://static1.squarespace.com/static/56b10ce8746fb97c2d267b79/t/5f15cfc1ba9c3e515a1e7225/1595264974294/Mais+autonomia%2C+mais+direitos.pdf. Acesso em: 18 out. 2020.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia científica. 2. ed. São Paulo: Atlas. 2007.

MIRANDA, Geralda Luiza de. Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes: feedback effects, inflexões e desafios atuais. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 51, n. 2, p. 201-218, mar. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-76122017000200201&lng=en&nrm=iso . Acesso em: 16 out. 2020.

OLIVEIRA, Flávia Letícia Alvez. Acolhimento institucional e maioridade: uma análise da saída do jovem do abrigo à luz da teoria do reconhecimento de Axel Honneth. Publica Direito. Disponível em: http://publicadireito.com.br/artigos/?cod=f3c985feac25c219. Acesso em: 20 fev. 2020.

REPÓRTER RECORD INVESTIGAÇÃO. RRI de quinta-feira (21) revela como é a vida dos jovens obrigados a deixar o orfanato ao completar 18 anos. Recordtv, 19 abr. 2016. Disponível em: https://recordtv.r7.com/reporter-record-investigacao/rri-de-quinta-feira-21-revela-como-e-a-vida-dos-jovens-obrigados-a-deixar-o-orfanato-ao-completar-18-anos-14092018 . Acesso em: 05 out. 2019.

RIZZINI, Irene (coord.). Acolhendo crianças e adolescentes: experiência de promoção de direito à convivência familiar e comunitária no Brasil. São Paulo: Ed. Cortez, 2007.